Orando em todo o tempo

imagem de Flávio Cardoso
Versão para impressãoVersão para impressão

Nos passos da igreja primitiva

Voltemos ao versículo que tem sido citado em algumas de nossas lições:


"Eles se dedicavam ao ensino dos apóstolos e à comunhão, ao partir do pão e às orações."

Já estudamos, no artigo Vivendo em Comunhão acerca do que significa dedicar-se à comunhão. Também aprendemos, nos estudos relacionados ao Discípulo e a Bíblia, como é importante compreender e viver as verdades da Bíblia, na qual o ensino dos apóstolos se encontra devidamente registrado. Nesta lição e nas duas seguintes, aprenderemos algumas verdades sobre oração.

Quando meditamos acerca da comunhão, enfatizamos que os primeiros cristãos se dedicavam à comunhão. Da mesma forma, eles se dedicavam à oração. A Bíblia não diz que eles se divertiam orando. A prática da oração geralmente não é divertida. Exige concentração, disciplina, fé, abrir mão do convívio familiar e do tempo que poderíamos dedicar ao lazer. Quando chegamos em casa cansados, após uma jornada de trabalho, nosso corpo e nossa mente pedem descanso, televisão, internet, uma boa leitura. Nunca pedem oração. A maior parte de nós não pensa: "mal posso esperar para chegar em casa, tomar um banho e dobrar meus joelhos para orar". Entretanto, precisamos orar, assim como faziam nossos irmãos do primeiro século. Vejamos alguns exemplos: depois que os cristãos oraram, tremeu o lugar onde estavam reunidos e todos ficaram cheios do Espírito Santo (Atos 4:31); enquanto Pedro orava, na casa de Simão, o curtidor, Deus lhe revelou, por meio de uma visão, que os gentios também seriam salvos (Atos 10:9-16); a Igreja orava, na casa de João Marcos, quando Pedro foi milagrosamente liberto da prisão (Atos 12:5-12); na Igreja em Antioquia, os cristãos adoravam a Deus e jejuavam, quando o Espírito Santo chamou Paulo e Barnabé (Atos 13:2-3). Se voltarmos ao velho testamento, também veremos os homens de Deus se dedicando a uma vida de oração. Daniel, por exemplo, se ajoelhava e orava três vezes por dia (Daniel 6:10).

E o que dizer do Senhor Jesus? Inúmeros textos bíblicos nos revelam que Jesus, em certas ocasiões, se afastava dos discípulos e da multidão para orar:


"Tendo despedido a multidão, subiu sozinho a um monte para orar..." (Mateus 14:23)


"Mas Jesus retirava-se para lugares solitários, e orava." (Lucas 5:16)


"Num daqueles dias, Jesus saiu para o monte a fim de orar, e passou a noite orando a Deus." (Lucas 6:12)

O mesmo Jesus ordenou aos discípulos que orassem, para não entrarem em tentação (Lucas 22:40,46). Paulo recomendou à Igreja que orasse sem cessar (I Tessalonissences 5:17). Tiago mandou que os crentes orassem uns pelos outros, para que fossem curados (Tiago 5:16). Paulo também disse:


"Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos." (Efésios 6:18)

No próximo artigo, meditaremos um pouco mais no significado de "com toda oração". Por enquanto, gostaria de compartilhar algo que modificou definitivamente minha maneira de orar.

Nossa postura ao orarmos

Duas grandes barreiras que encontramos para orar são nossa tendência ao legalismo e nossa dependência das emoções. Tratam-se de dois erros que nos perseguem e nos enfraquecem. Se cairmos nessas ciladas de Satanás, nossas orações não produzirão os efeitos que deveriam. Vamos examinar isso mais de perto.

Livres do legalismo

Quando finalmente resolvemos dobrar nossos joelhos para orar, pensamos: "já não leio a Bíblia há vários dias; hoje, xinguei no trânsito e briguei com minha esposa; será que minha oração vai passar do teto?" Sabemos que a Bíblia garante que Deus ouve nossa oração e que se pedirmos com fé iremos receber. Mas não nos consideramos merecedores. Achamos que Deus só fará a parte dEle se nós fizermos a nossa. Como falhamos em fazer nossa parte, Ele também não fará a dEle.

Mas a Bíblia nos ensina algo muito diferente. No dia em que cremos na mensagem de salvação, fomos inseridos em Cristo:


"Com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo; em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa." (Efésios 6:12-13)

O fato de estarmos inseridos em Cristo é abundantemente revelado na Bíblia. Ele é a videira e nós os seus ramos (João 15:5-8). Nós fomos batizados (mergulhados) em Cristo (Romanos 6:3). Quando Ele morreu, nós morremos junto. A ressurreição dEle nos trouxe nova vida.


"Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. ... Pois vocês morreram, e agora a sua vida está escondida em Deus." (Colossenses 3:1,3)

Nós não fomos inseridos em Cristo porque merecêssemos. Ao contrário, éramos merecedores da ira de Deus. Mas Deus nos amou mesmo assim, e nos proporcionou, em Cristo, a salvação. A única coisa que fizemos foi crer na mensagem da salvação. Agora, preste atenção num fato muito importante: da mesma forma que fomos inseridos em Cristo pela graça, por meio da nossa fé, sem mérito algum, também devemos permanecer em Cristo pela graça, por meio da nossa fé. Permaneceremos em Cristo se, insistentemente, professarmos a nossa fé de que estamos nEle.


"Portanto, assim como vocês receberam Cristo Jesus, o Senhor, continuem a viver nele, enraizados e edificados nele, firmados na fé, como foram ensinados, transbordando de gratidão." (Colossenses 2:6-7)

Portanto, não saímos de Cristo quando praticamos o mal e nem entramos em Cristo quando praticamos o bem. Permanecemos em Cristo quando cremos no que a Bíblia diz, e ela diz que estamos nEle. Quando passamos a confiar em nossas boas obras para permanecermos em Cristo, estamos, na realidade, caindo da graça e nos colocando debaixo de maldição (Gálatas 3:3,10). Se tentarmos permanecer em Cristo pelo esforço próprio, estaremos saindo de Cristo:


"Vocês, que procuram ser justificados pela Lei, separaram-se de Cristo; caíram da graça." (Gálatas 5:4)

Fora de Cristo, não temos como nos livrar do poder do pecado. Já os que permanecem em Cristo, apenas crendo no que a Bíblia diz, são capacitados pelo Espírito Santo para vencerem o pecado e praticarem obras de justiça.

Quando vivemos essa verdade, nosso viver é profundamente alterado, e também a forma como oramos. Permanecemos em Cristo quando lemos a Bíblia, quando dirigimos nosso carro, quando estamos no trabalho, quando dormimos e quando oramos. Firmados em Cristo pela fé nas Escrituras, temos plena confiança para entrar no Santo dos Santos em oração (Hebreus 10:19). Se nossa consciência nos acusar de pecados, basta confessá-los e crer que Deus perdoará (I João 1:8). Deus sempre ouvirá nossa oração, pois Ele não está longe de nós (Salmos 145:18). Nossas obras, boas ou más, não alteram esta verdade!

Livres do "emocionalismo"

É maravilhoso sentir a presença de Deus. É tremendo quando falamos e ouvimos sua resposta imediata, dialogando como se falássemos com outra pessoa qualquer. Mas isso nem sempre ocorre. Há ocasiões em que oramos, oramos, oramos, mas não sentimos nada! Nenhum arrepio, nenhum vento, nenhuma convicção interior de que Deus recebeu nossa oração. Ainda por cima, não vemos acontecer aquilo que pedimos. Então, temos a tendência de desistir de orar, simplesmente porque não conseguimos sentir Deus!

O fato é que quando estamos naquela reunião "do fogo", tomados pelo Espírito Santo, tendo visões do céu, nós não estamos nem um milímetro mais perto de Deus do que quando estamos dentro de nosso carro, parados num terrível engarrafamento. Seja na reunião, seja no trânsito, estamos em Cristo. Creiamos nisso! Deus deseja que o seu povo ande por fé e não pelos sentidos.


"Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele." (Hebreus 10:38)

Não estamos, de maneira nenhuma, tentando diminuir a importâncias dos "contatos imediatos" que temos com Deus. Quem nunca teve, provavelmente os está bloqueando, por medo ou por incredulidade, e isso é péssimo para a vida cristã. A Bíblia está repleta de exemplos de como os servos de Deus o sentiram e com Ele interagiram em visões e arrebatamentos: Moisés no monte Sinai, Elias no monte Horebe, a Igreja no dia de Pentecostes, Paulo arrebatado ao terceiro céu, João na Ilha de Patmos. Tais experiências são maravilhosas e muito importantes para nos firmarem na fé. Quando atravessamos desertos em nossas vidas, as lembranças delas nos dão alento e nos ajudam a perseverarmos na fé. É por isso que Deus nas concede abundantemente, de acordo com sua boa vontade.

O que pretendemos mostrar é que não dependemos de tais experiências para fazer a vontade de Deus, mas sim da fé na Palavra. Por que será que Deus quis que fosse assim? Vou arriscar uma explicação. Imagine um piloto conduzindo um avião à noite, num dia chuvoso. Quem já voou à noite sabe: quando olhamos pela janela do avião, não conseguimos ter a menor idéia de onde estamos. Portanto, é absolutamente impossível chegar ao destino apenas olhando pela janela. Como então o piloto consegue sair de Brasília e chegar ao Rio de Janeiro, bem no meio da madrugada? Confiando nos instrumentos do avião: bússola, GPS etc. Da mesma maneira, Deus sabe que nós nunca poderíamos "voar" no mundo espiritual sem bússola. Nossas sensações são enganosas. Satanás poderia ludibriar nossos sentidos facilmente. Lembrem-se de que ele se desfarça até em anjo de luz (II Coríntios 11:4), e que é o pai da mentira (João 8:44). Mas quando olhamos para os "instrumentos" (a Bíblia), torna-se fácil voar sem errar.

Conclusão

Livres das prisões do legalismo e do "emocionalismo", nossas orações serão muito mais freqüentes e eficazes. Permaneçamos em Cristo, pela fé na Palavra. Se estamos constantemente nEle, podemos orar em todo o tempo, independentemente das circunstâncias. No próximo artigo, aprenderemos mais sobre os diferentes tipos de oração que devemos praticar.

Comentar

  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <it> <strong> <cite> <code> <ul> <ol> <li> <dl> <dt> <dd> <h1> <h2> <h3> <blockquote> <span> <p> <p style="text-align: right;"> <br> <table> <address> <pre> <hr>
  • Você pode escrever código PHP. Basta incluir as tags <?php ?>.

Mais informações sobre as opções de formatação

Theme by Danetsoft and Danang Probo Sayekti inspired by Maksimer