cruz

imagem de Flávio Cardoso

O esforço de descansar

Nossa reflexão desta semana começa com esse texto da carta aos Hebreus:

10   Porque aquele que entrou no descanso de Deus, também ele mesmo descansou de suas obras, como Deus das suas.
11   Esforcemo-nos, pois, por entrar naquele descanso, a fim de que ninguém caia, segundo o mesmo exemplo de desobediência.
(Hebreus 4:10-11)

Para quem não é familiarizado com a Bíblia, esse verso pode soar estranho. Afinal de contas, descansar parece ser exatamente o contrário de esforçar-se. Então, qual o sentido de "esforçar-se para entrar no descanso"? Vamos meditar sobre isso.

O verso 11 é um aviso para que nós não caiamos no "mesmo exemplo de desobediência". Mas que exemplo é esse?

O autor da carta aos Hebreus está mencionando o Salmo 95, no qual o salmista recorda a história do povo de Israel, descrita em Números 14. Após libertar o povo do cativeiro no Egito, Deus prometeu que iria levá-lo à terra prometida. Prometeu que os israelitas expulsariam os moradores dessa terra. Os hebreus foram em direção à terra; mas, ao notarem o poderio dos que nela habitavam, perceberam o óbvio: eles não teriam condição de conquistá-la, pois os inimigos eram fortes demais. Aqueles homens não conseguiram crer que, na verdade, quem iria derrotar os cananeus seria o próprio Deus, por meio deles. Sua vitória não seria natural, mas sobrenatural. Seu coração se endureceu e eles não conseguiram crer nas palavras de Deus, sendo castigados por isso.

O "exemplo de desobediência", então, foi o do povo de Israel. Tudo o que eles precisavam fazer era receber o presente que Deus lhes dava: a terra prometida. Para isso, precisavam crer nas palavras divinas. Mas não creram. O autor de Hebreus escreve:

18   E contra quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão contra os que foram desobedientes?
19   Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade
(Hebreus 3:18-19)

Para o autor da carta aos Hebreus, "esforçar-se para entrar no descanso" significa receber, pela fé, a salvação que Deus dá, por mais improvável que ela pareça. Os israelitas da geração de Moisés não conseguiram receber a salvação que Deus lhes ofereceu. Nós não devemos seguir o seu exemplo negativo.

Mas note que "esforçar-se para entrar no descanso" não é apenas receber a salvação que Deus oferece, mas também permanecer nessa salvação maravilhosa. É o que mostram esses versos, também da carta aos Hebreus (cap. 3):

11   Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso.
12   Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo;
13   Pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado.
14   Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos.

Vamos meditar um pouco mais no que significa permanecer no descanso de Deus.

Descansar é permanecer em Cristo

Você se lembra de seu novo nascimento? Lá estava você, considerando-se o pior pecador do mundo, arrependido de seus pecados e pedindo a Deus que tivesse misericórdia da sua vida. Então, você sentiu a alegria imensa de sentir o Espírito de Deus invadindo seu coração, para nunca mais sair. Você não conseguia entender como um Deus tão puro poderia amá-lo tanto a ponto de habitar em você, não é mesmo? Que alegria! Que descanso maravilhoso! Jesus Cristo é o nosso descanso.

Entrar em Cristo é algo incrivelmente fácil, porque Deus já fez tudo o que precisava ser feito. Ele se fez carne e se aproximou de nós, para que pudéssemos viver nEle mesmo. A nós, só resta aceitar o presente de Deus, por meio de nossa fé.

Mas permanecer no descanso de Deus é algo que exige esforço. É preciso que reconheçamos, a todo momento, a nossa absoluta incapacidade de agradá-lo por meio de nossas próprias forças. É nos negarmos a nós mesmos, todos os dias, mortificando a nossa velha natureza, para que possamos viver a vida dEle. O descanso de Deus é o descanso da morte do velho homem.

Permanecer no descanso divino é nos apresentarmos a Deus como quem morreu e ressuscitou. Ao fazermos isso, permitimos que o Espírito Santo, que em nós habita, realize todas as boas obras que Ele deseja, por nosso intermédio. Assim, não recebemos o crédito por nenhuma dessas boas ações. A glória é toda dEle, sempre.

Existem muitas áreas da nossa vida que nós mesmos controlamos. Ao longo da nossa caminhada, precisamos entregar o controle delas ao Senhor Jesus Cristo. Quanto mais fazemos isso, mais descansamos nEle. Então, descansar em Deus é um processo que precisa se intensificar ao longo de nossa caminhada cristã.

Mas isso exige esforço, vigilância. Se não vigiarmos, acabamos saindo do descanso. Vejamos alguns exemplos.

Quando abandonamos o descanso

Toda vez que assumimos o controle de certa área da nossa vida, deixamos o descanso de Deus. Infelizmente, isso é bem mais comum do que deveria. Vejamos alguns exemplos.

Confiança nos próprios méritos

Compare as seguintes frases, que poderiam perfeitamente ter saído de nossas bocas:

  • Deus está me abençoando porque o tenho buscado em oração.
  • Deus não me abençoa porque não sou generoso com os pobres.
  • Deus me abençoa porque ele é gracioso.
  • Minha vida devocional só está boa porque o Espírito Santo me sustenta.

Você nota a diferença entre as duas primeiras e as duas últimas frases? As duas primeiras são de alguém que começou a imaginar que a bênção de Deus depende do mérito humano. São frases de quem saiu do descanso de Deus. Os que pensam assim precisam se arrepender e voltar urgentemente ao descanso. Estão caindo da graça.

Será que vocês são tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, querem agora se aperfeiçoar pelo esforço próprio? (Gálatas 3:3, NVI)

Já as duas últimas frases revelam a sabedoria de quem permanece no descanso de Deus. Somos salvos pela graça, sem nenhum mérito nosso. E permanecemos salvos por essa mesma graça, sem nenhum mérito nosso. Quando assim cremos, andamos pelo Espírito Santo, que em nós habita, o qual realiza boas obras por meio de nós, que são o sinal de que realmente estamos salvos. Quando permanecemos no descanso de Deus, o fruto do Espírito se manifesta em nós:

22   Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade,
23   mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.
24   E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências.
(Gálatas 5:22-24)

Juízes?

Para permanecermos em Cristo precisamos estar absolutamente conscientes de que não merecemos estar nEle. É somente pela misericórdia divina que estamos em Cristo. Não habita bem algum em nossa carne, a qual precisa ser mortificada diariamente para que a vida de Deus possa aflorar. Todo bem que façamos é resultado da operação de Deus em nós. Não temos mérito algum.

Então, quem permanece em Cristo não ousa julgar ninguém, pelo simples fato de que não se considera melhor que ninguém.

Quando um irmão começa a criticar os demais irmãos, o pastor, a igreja e tudo o mais, isso é mal sinal. Ele está se achando melhor que os outros. Quem se acha bom, é porque está longe de Deus. Esse irmão não está guardando firme, até o fim, a confiança que teve no início...

Revolta com a injustiça sofrida

Há situações em nossa caminhada quando somos acusados injustamente de coisas que não fizemos. Evidentemente, tentamos nos defender, mas nem sempre somos ouvidos e as pessoas permanecem achando que somos culpados.

Qual é a nossa reação diante dessas injustiças? Normalmente, nos revoltamos e nos entristecemos. Pensamos: "Epa, eu não mereço esse tratamento. Quem são essas pessoas pra falar assim de mim?".

Mas aquele que entrou no descanso de Deus não está nem um pouco preocupado com o que os homens pensam dEle. Seu único propósito é agradar ao Senhor. Se sua consciência não o acusa, isso é o bastante.

Agora, vamos pensar friamente. O que está em jogo quando alguém fala inverdades a nosso respeito? Nosso nome, honra, amor próprio. São coisas que qualquer ser humano normal preza e nutre. Porém, Jesus nos ensina que precisamos nos negar a nós mesmos. Essas coisas precisam morrer para permanecermos em Cristo. Então, nessas ocasiões em que sofremos injustiça, devemos aproveitar a oportunidade para mortificar um pouco mais o nosso ego. Não é exatamente isso que a Bíblia nos ensina?

9   Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo.
10   Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.
(2 Coríntios 12:9-10)

11   Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós.
12   Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós.
(Mateus 5:11-12)

 

Theme by Danetsoft and Danang Probo Sayekti inspired by Maksimer