cruz

imagem de Flávio Cardoso

Buscando os projetos de Deus

No final do ano passado, tirei férias e viajei com a família para passar alguns dias na casa de parentes. Que maravilha: esposa passeando com os parentes, filhos espalhados nas casas dos primos e eu, sozinho, retirado, fazendo o que mais gosto: estudando.

Levei alguns livros recém-comprados, incluindo uma magnífica gramática de hebraico bíblico. Planejei tudo certinho. Estudando com afinco um capítulo por semana, eu teria varrido toda a gramática em 39 semanas. E nas férias, com mais tempo disponível, poderia dar uma adiantada boa nos estudos. Presumi que Deus me abençoaria nesta empreitada. Afinal, minha intenção era boa: ter uma melhor compreensão da Bíblia Sagrada.

Num desses deliciosos dias de maratona de estudos, enquanto me divertia com as terríveis reduções pretônicas do hebraico, fui surpreendido com uma intervenção de meu filhinho de 6 anos. Ele vinha correndo com os primos quando, de súbito, parou ao meu lado e disparou uma pergunta muito simples. "Pai, por que você gosta tanto de estudar a língua hebraica?"

Em 5 segundos eu formulei uma resposta qualquer, que ele não entendeu mas aceitou e voltou a brincar. Desvencilhar-me do menino foi fácil. Só que havia um problema. Depois que o pequenino foi embora, a pergunta continuou ecoando nos meus ouvidos como se fosse um gongo. Logo percebi que aquela pergunta não partira dele, mas de Deus, que usara a boca dele. Não dava para enrolar Deus. Fechei a gramática e fui para a presença dEle. Aprendi duas lições com esse episódio, que agora compartilho com vocês

Se a iniciativa não é de Deus, então a glória não é dele

A Bíblia nos ensina:

Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. (1 Coríntios 10:31, NVI)

Mas, para que o glorifiquemos dessa maneira, é preciso que dependamos dele para fazer tudo. Nossos projetos, mesmo os mais bem intencionados, precisam nascer nEle ou, ao menos, contar com a prévia aprovação dEle. NÃO PRESUMA, como eu presumi, que Ele abençoará os teus projetos. O próprio Senhor Jesus nos admoestou: "...sem mim vocês não podem fazer coisa alguma" (João 15:5).

Deus não me repreendeu por estudar hebraico bíblico. Ele me repreendeu por tomar a decisão de estudar sem consultá-lo, sem depender dEle. Foi uma decisão de origem humana, sem oração, sem espera em Deus. Foi uma decisão carnal e incapaz de glorificar a Deus, embora parecesse santa e boa.

Em Tiago 4:13-16 (NVI), nós aprendemos:

13 Ouçam agora, vocês que dizem: "Hoje ou amanhã iremos para esta ou aquela cidade, passaremos um ano ali, faremos negócios e ganharemos dinheiro".
14 Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida? Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa.
15 Ao invés disso, deveriam dizer: "Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo".
16 Agora, porém, vocês se vangloriam das suas pretensões. Toda vanglória como essa é maligna.

Deus não se impressiona com as nossas realizações. Ele se alegra quando executamos a sua vontade. Portanto, antes de você decidir fazer qualquer coisa, lembre-se de aguardar o sinal verde de Deus. Isso se aplica a comprar um novo carro, trocar de apartamento, aprender a tocar violão, entrar na academia, fazer dieta, ler a Bíblia toda, orar todos os dias, ganhar os colegas do trabalho para Jesus etc.

Atividades demais, Deus "de menos"

Respondeu-lhe o Senhor: Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário ou mesmo uma só coisa; Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada. (Lucas 10:38-42)

Para Marta, a presença de Jesus era apenas um detalhe que passava quase despercebido no meio de tanto trabalho. Ela estava ocupada tão ocupada com os serviços que não conseguia dirigir sua atenção para o Mestre. Todos corremos o risco de abraçar nossos projetos com tanto zelo, com tanta vontade, que Jesus  acaba deixando de ser a prioridade. Mas o Mestre fez questão de mostrar à Marta o seu erro.

No meu caso, Deus não queria que eu estudasse nada, mas que aproveitasse aqueles dias de descanso para contemplar a Sua face, gastando tempo em sua presença.

Certamente, a Bíblia nos ensina a fazer muitas coisas: pregar o evangelho, orar uns pelos outros, comungar com nossos irmãos etc. Mas Jesus nos ensinou o maior de todos os mandamentos a serem executados: “Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força” (Mc 12:30).

Não permita que os seus planos e atividades afetem o tempo que você passa na presença de Deus, entregando-lhe o seu amor. Nada é mais importante do que isso.

1 Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, 2 tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus. (Hebreus 12:1-2)

Todos sempre prestamos bastante atenção para não cometermos pecados. Quando caímos, logo nos arrependemos e tratamos de nos reconciliar com Deus.

Mas o autor da carta aos Hebreus nos conclama a nos livrarmos "de tudo o que nos atrapalha E do pecado que nos envolve". Então, o pecado não é o único problema. Existem outras coisas, não pecaminosas, que também nos atrapalham. São os embaraços, tais como: excesso de trabalho, estudo, lazer, exercícios físicos, cuidados com a aparência, com a saúde, com os filhos, com o cônjuge, com os parentes. Muitos cristãos têm-se tornado tão distraídos com essas coisas, que já não conseguem manter "os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé". Tornam-se infrutíferos, pois os cuidados desta vida impedem a Palavra de Deus de produzir frutos (leia Lucas 8:14).

Se o excesso de atividades tem impedido, na sua vida, o cumprimento do maior de todos os mandamentos, então é hora de se arrepender e corrigir o rumo.

O discípulo de Cristo precisa aprender a suportar a cruz, negando-se a si mesmos. Suportar a cruz é abrir mão do direito de tomar as próprias decisões, para aceitar as decisões de Deus. É abrir mão do direito de fazer aquilo que se gosta, e que nem é pecado, só para desfrutar da presença de Deus. Façamos isso, pois grande é a alegria que nos está proposta.


Questões para debate

  1. Todos nós temos exemplos de sucesso e de fracasso em nossos projetos pessoais. Você acha que o fato de ter consultado ou deixado de consultar a Deus antes de executá-los contribuiu para o resultado?
  2. Quando decidimos fazer algo, seja na Igreja ou na vida secular, sem antes consultar a Deus, isso pode se tornar um peso. Você tem vivido uma situação assim?
  3. A vida moderna nos sufoca com muitos embaraços que nos impedem de fixar os olhos em Cristo. Talvez, ao ler esta lição, o Espírito Santo tenha tocado o seu coração para se livrar de algum(uns) deles. Se for esse o caso, compartilhe com seus irmãos.

Theme by Danetsoft and Danang Probo Sayekti inspired by Maksimer